quarta-feira, 18 de setembro de 2013

A Revolução dos RRR

 Podemos ajudar muito no combate ao Aquecimento Global ao adoptarmos comportamentos individuais simples, mas revolucionários, no colectivo. Separar resíduos, reutilizar e reciclar é importante, mas não suficientes. É preciso produzir menos lixo. O Brasil, como a China e a Índia, países não incluídos na lista dos que tem metas de redução de gases efeito estufa, são alguns dos que mais emitem esses gases através das queimadas e lixões. A discussão mundial se aprofunda na busca de macro-soluções. Enquanto os interesses divergem e um novo modelo de consumo de vida não se estabelece, politicamente, podemos começar a revolução ambiental em nossa casa.

Não temos, em escala, a cultura dos RRR - Racionalizar, Reduzir, Reciclar e os catadores dos lixões são termómetro dessa cultura do desperdício. Os catadores, verdadeiros agentes ambientais, não têm apoio ou espaço no mercado para fazer da actividade uma forma de garantia de vida, inclusão cidadã e agregação de valor em saneamento. E cada um de nós é peça chave nessa engrenagem suja da cultura dos lixões.
 
O Instituto Akatu lançou um desafio sobre a necessidade urgente de redução de lixo, ao perguntar: “Quanto tempo seria preciso para encher de lixo 16.400 caminhões enfileirados de São Paulo ao Rio de Janeiro? Um ano? Um mês? Muito menos.
 
Segundo o Akatu o Brasil produz actualmente 115 mil toneladas de lixo por dia. Isso quer dizer que os nossos caminhões estariam cheios em apenas 72 horas.
Grande parte do material que jogamos nos lixões das cidades são papéis, plásticos, vidros e metais que podem ser reutilizados. Além de colaborar com a limpeza do meio-ambiente a cultura dos RRR economiza recursos naturais e energia. Ouvimos muita gente justificar que não faz a colecta selectiva de resíduos, em casa, porque não adianta nada fazer isso se na porta do prédio o lixo vai-se espalhar com o vento e acção dos cães e outros bichos. Esse tipo de pensamento se expande em diversos ambientes. E, nessa prática, o lixo continua sendo um grave problema de saúde pública e de degradação dos nossos ambientes de convivência, ao invés de ser solução criativa, produtiva, inclusiva.

O Movimento Voluntário AMA – Amigos do Meio Ambiente, está promovendo palestras em condomínios, escolas e instituições para levar informações que possam mobilizar consumidores de resíduos sobre a acção simples e revolucionária da cultura dos Rs, onde reduzir, é racional; reutilizar é revolucionário e reciclar é reinventar. A redução de resíduos começa antes de fazer as compras, observando detalhes do valor ambiental agregado a cada produto.
 
A reciclagem diferente do que é propagado, é a última fase desse processo. Antes disso, se separamos os resíduos por tipo de material de que ele é composto estaremos abrindo oportunidades económicas infinitas. Chegará o dia que estaremos separando vidro verde, vidro preto, vidro azul, sapatos, roupas, cada um em seu colector específico, fechado, com endereço de destinação certo, não para um lixão ou aterro, mas para o incremento de projetos sociais que valorizam a cultura dos RRR, para racionalizar, reutilizar, reduzir, reequilibrar, revigorar, reinventar, reciclar e reviver na Mãe Terra.
  • Liliana Peixinho - Jornalista, activista ambiental, Coordenadora do Movimento Voluntário AMA- Amigos do Meio Ambiente. Moderadora da REBIA-Nordeste e colaboradora da UNIMEIO

    ....................................................
    A UNIMEIO – Universidade Livre do Meio Ambiente, desde Brasil, deseja a todos os visitantes de nosso Blog, um FELIZ 2008, repleto de saúde, paz, harmonia e muita prosperidade a cada um e para toda a comunidade planetária da Terra.